Marketing digital e a inovação no relacionamento com os consumidores: um estudo de caso em uma empresa que vende vinhos pela internet

Inayara Valéria Defreitas Pedroso Gonzalez, Lidiany Gerhardt Rossi

Resumo


Buscou-se analisar como o marketing digital, utilizado por uma empresa que vende vinhos pela internet, possibilita inovar a relação com os seus consumidores. Trata-se de um estudo de caso com abordagem qualitativa, cujas técnicas de investigação utilizadas foram a pesquisa bibliográfica e a pesquisa empírica. A partir da aplicação de entrevista semiestruturada, os gestores ligados ao marketing digital e ao marketing de relacionamento da empresa forneceram informações sobre o processo de relacionamento e marketing digital. Por meio de questionário semi-estruturado online, os clientes adeptos ao instagram da empresa revelaram, dentre outras informações, o modo como percebem a forma de a empresa se relacionar com o mercado consumidor. Concluiu-se, a partir da estratégia de análise de conteúdo, que as ferramentas do marketing digital combinadas com a orientação e a educação sobre os diferentes tipos de vinho, mais a gentileza nas interações, possibilitam inovar a relação com os consumidores. 

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Monopólio. (2018). Gestão da Inovação em Marketing Digital: 5 melhores práticas. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2018.

Antunes. P. R. A. (2015). O hábito do consumo de vinho no brasil. Site cozinha acadêmica, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

Barbosa, C. A.; Lopes, A. S. (2014). Marketing digital: marketing para o novo milênio. Araguaína: Revista Científica do ITPAC, v.7, n.2.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogmann, I. M. (2000). Marketing de relacionamento: estratégias de fidelização e suas implicações financeiras. São Paulo: Nobel.

Bhat, S. A.; Darzi, M. A. (2016). Customer relationship management: An approach to competitive advantage in the banking sector by exploring the mediational role of loyalty. International Journal of Bank Marketing, v. 34, n. 3, p. 388-410.

Creswell, J. (2010). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Porto Alegre: Artmed.

Crocco, L.; et. al. (2006). Marketing: perspectivas e tendências. São Paulo: Saraiva.

Chamusca, M.; Carvalhal, M. (2011). Comunicação e marketing digitais: conceitos, práticas, métricas e inovações. Salvador, BA: Edições VNI.

Constantinides, E. (2014). Foundations of Social Media Marketing. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 148, p. 40–57. Disponível em: . Acesso em: 02.Mai.2017.

Diniz, N.; Almeida, S. (2017). Consumo de vinhos na cidade do Recife: uma pesquisa da relevância dos atributos da bebida no momento da compra. São Paulo: Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo - RETUR.

Ehrenberg, K.; Souza, R. F. (2012). Comunicação mercadológica em mídias digitais e o consumidor/internauta. Acta Científica, v. 21, n. 1, p. 33-44.

FAO. (2015). Food and Agriculture Organization of the United Nations. Dados estatísticos. Disponível em:< http://www.fao.org/search/en/?cx=018170620143701104933%3Aqq82jsfba7w&q=Food+and+Agriculture+Organization+of+the+United+Nations&cof=FORID%3A9&siteurl=www.fao.org%2Ffaostat%2Fen%2F%3F%23data&ref=www.fao.org%2Ffaostat%2Fen%2F&ss=0j0j2>. Acesso em: 02.out.2017.

Fisher, D.; Smith, S. (2011). Concretionis chaotic: what it means for marketing when no one has control. Marketing Theory, v.11, n.3.

Gabriel, M. (2010). Marketing na era digital. São Paulo: Novatec. Editora.

G1. (2019). Economia. Brasil tem 116 milhões de pessoas conectadas à internet, diz IBGE. Disponível em: < https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/brasil-tem-116-milhoes-de-pessoas-conectadas-a-internet-diz-ibge.ghtml>. Acesso em: 10.jan.2019.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

_______. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Giroletti, A. D.; Lima, R. de J. C.; Patah, L. A. (2012). Educação para a Inovação. Rev. ADM. UFSM, Santa Maria, v.5, n. 3, p.607-624, set./dez..

Gonçalves, C. (2003). Gestão do conhecimento de marketing: uma pesquisa empírica no setor industrial. Belo Horizonte: Revista de Administração FACES.

Ibravin. Instituto Brasileiro do Vinho. (2008). Estudo do mercado brasileiro de vinhos tranquilos e vinhos espumantes quantitativo-demanda. IBRAVIN. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2017.

Kotler, P. (2010). Marketing 3.0. As forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Tradução de Ana Beatriz Rodrigues. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kotler, P.; Kartajaya, H.. Setiawan, I. (2017) Marketing 4.0: do Tradicional ao Digital. 1 ed. Rio de Janeiro: Sextante.

Leeflang, P. S. H.; Verhoef, P. C.; Dahlstrom, P.; Freundt, T. (2014). Challenges and solutions for marketing in a digital era. European Management Journal, v. 32, p.1-12.

Leonardi, M. R. (2016). Como e porque degustar vinhos. 1a edição - Florianópolis, Edição do autor, ISBN: 978-85-921270-0-8.

Liu, X. et al. Co-authorship networks in the digital library research community. Information Processing & Management, v. 41, n. 6, p. 1462-1480, 2005.

Lulio, M. (2017). As 50 empresas mais inovadoras no relacionamento com seus clientes. Disponível em < https://www.consumidormoderno.com.br/2017/08/31/empresas-mais-inovadoras-relacionamento/ >. Acesso em:03.dez. 2018.

Marconi, M. A; Lakatos, E. M. (2011). Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Mattar, F. (1996). Pesquisa de marketing. Ed. Atlas.

Mundo do Marketing. (2019). Os desafios do mercado de vinhos. Disponível em: < https://www.mundodomarketing.com.br/inteligencia/estudos/402/os-desafios-do-mercado-de-vinhos.html>. Acesso em: 07.01.2019.

OCDE. (2005). Oslo Manual: Guidelines for Collecting and Interpreting Innovation Data. OCDE publishing, 3rd Edition, Paris.

Okada, S. L.; Souza, E. M. (2011). Estratégias de marketing digital na era da busca. São Paulo: REMark - Revista Brasileira de Marketing, vol. 10. p. 46-72.

Oliveira, D. R. A. (2015). A Empresa inovadora e direcionada para resultados. São Paulo: Atlas.

Paixão, M. V. (2008). Pesquisa e planejamento de marketing e propaganda. Uritiba: Ibpex.

SEBRAE. (2011). Internet para pequenos negócios: táticas para construir uma empresa de sucesso na internet. Revista SEBRAE-Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas.

Slack, N.; Chambers, S.; Harland, C.; Harrison, A.; Johnston, R. (2009). Administração da Produção e Operações, Editora Atlas, São Paulo.

Souza, C. F. (2016). Marketing digital e a evolução do marketing. [s.n.]. Disponível em: Acesso em: 18 abr. 2018.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3. ed. São Paulo: Bookman.

Torres, C. (2010). [Guia prático de marketing na internet para pequenas empresas]. [s. n.].

Torres, C. (2009). A Bíblia do marketing digital. São Paulo: Novatec Editora.

UVIBRA. União Brasileira de Vitivinicultura. (2015). Dados estatísticos. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

IBGE. (2016). Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad C). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:< https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/multidominio/ciencia-tecnologia-e-inovacao.html>. Acesso em:

Vergara, S. C. (2011). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 13. ed. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O Caderno Profissional de Marketing Unimep (CPMark), Qualis B3, ISSN 2317-6466, está presente nos seguintes indexadores: 

 

 

 

 

Flag Counter