Uma Análise sobre o Mercado Mundial do Biodiesel

Dario Oliveira Lima, Vergílio Prado Sogabe, Tania Cristina Costa Calarge

Resumo


O combustível fóssil, base da matriz energética mundial, dá sinais de esgotamento das suas reservas e saturação ambiental por causa do aquecimento global. Surgiu assim um novo desafio para a Academia: encontrar um combustível substituto que seja renovável e não emita Dióxido de Carbono. O biodiesel surgiu como potencial substituto do combustível fóssil que se esgotará dentro de 50 anos. O mercado mundial de biodiesel está em expansão e demanda por informações econômicas referentes ao bicombustível. Este trabalho se propõe a realizar um levantamento sobre as informações de mercado do biodiesel e seu desenvolvimento no mundo. Traz informações relativas à produção, à capacidade produtiva e aos incentivos fiscais do biodiesel em diversos países do mundo.


Palavras-chave


Protocolo de Kyoto;Biocombustíveis

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. M. (2006) Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo, Atlas.

ANP. Agência Nacional de Petróleo. (2007) Anuário Estatístico 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 de mar. 2007.

BENEDETTI, O. et al. (2006). “Uma proposta de modelo para avaliar a viabilidade do Biodiesel no Brasil”. Teoria e Evidência Econômica, 14(ed. Especial), 81-107.

BIODIESELBR. Disponível em: . Acesso em: 26 de out. 2007.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Programa de Apoio Financeiro e Investimentos em Biodiesel. [2005]. Disponível em: Acesso em: 30 jun. 2007.

BOCKEY, D. (2005) “Has Germany ́s booming Biodiesel market reached its peak?” F. O. Licht ́s World Ethanol and Biofuels Report, 4(7). Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2006.

BRASIL (2003). Relatório final do grupo de trabalho interministerial encarregado de apresentar estudos sobre a viabilidade de utilização de óleo vegetal: biodiesel como fonte alternativa de energia. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2007.

BRASIL (2005a). Lei no 11.097, de 13 de janeiro de 2005a. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: Acesso em: 09 jul. 2007.

BRASIL (2005b). Decreto no 5.457, de 6 de junho de 2005b. Diário Oficial da União, Casa Civil, Brasília, DF, 7 jul. 2005. Seção 1.

BRASIL (2006). Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional 2006. Disponível em: Acesso em: 09 jul. 2007.

CARVALHO, L. C. C. (2007). A rápida evolução dos combustíveis. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2007.

DANTAS, I. (2007) “Barreiras técnicas da UE barram biodiesel brasileiro”. Folha de S. Paulo, 12 de junho, Agrofolha, p. B12.

EBB – European Biodiel Board (2007). Statistics. Disponível em: . Acesso em: 21 de mar. 2007.

FIORI, M. (2007). Brasil poderá ensinar países em desenvolvimento a produzir biodiesel. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2007.

FRANÇA (2006). Ministére de l’Économie, dês Finances et de l’Industrie. Communiqué de presse de François Loos, 29 set. 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 de mar. 2007.

FREITAS, S. M.; FREDO, C. E. (2005). “Fontes energéticas e protocolo de Kyoto: a posição do Brasil”. Informações Econômicas, 35(5), 77-82. Disponível em: . Aesso em: 20 out. 2007.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas. GREMAUD, A. P.; PINHO, D. B.; VASCONCELLOS, M. A. S. (2004) Manual de economia. São Paulo: Saraiva.

JOHNSTON, M. (2006). “Evaluting the potencial for large-scale biodiesel deployments in a global context”. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2007.

KAO, I. (2006). “Japan sees biodiesel boost with new fuel standards”. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2007

KRAEMER, T. D. (2006). “Addicted to oil: strategic implications of American oil policy”. Disponível em: . Acesso em: 26 de out. 2007.

LIU, D. (2007) “Chinese development status of bioethanol and biodiesel”. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2007.

LUCENA, T. K. (2004) O Biodiesel na matriz energética brasileira. Monografia (Graduação em Economia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia, Rio de Janeiro.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M.. (2002) Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo, Atlas.

MATTAR, F. N. (1999) Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. São Paulo, Atlas.

MELLO, Fabiana O. T.; PAULILLO, Luiz F.; VIAN, Carlos E. F. “O biodiesel no Brasil: panorama, perspectivas e desafios”. Informações Econômicas, 37(1), 28-40. Diponível em: . Acesso em: 26 out. 2007.

MEIRELLES, F. S. (2003). Biodiesel. São Paulo: Federação de Agricultura do Estado de São Paulo.

MONTEIRO, V. (2006). Agronegócio: demanda mundial de Biodiesel será de 33,5 bi. 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2007.

NBB - NATIONAL BIODIESEL BOARD (2006). “Fuel fact sheets”. Disponível em: . Acesso em: 21 de mar. 2007.

PACHECO, F. (2004) “Biodiesel: será o combustível do futuro?”. Conjuntura e Planejamento, SEI, 22, 26-31.

PAULILLO, L. F.; FREITAS, C. E. (2005). “Agroenergia no Brasil: evolução e possíveis cenários.” Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2007

PNPB – Plano Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (2005). Desenvolvimento tecnológico. Disponível em: Acesso em: 21 de mar. 2007.

QUEIROZ, Mozart S. Biocombustiveis e a economia brasileira. 2007. Disponível em: . Acesso em: €24 out. 2007.

RATHMANN, R.; BENEDETTI, O.; PLÁ, J.A.; PADULA, A.D. (2007). “Biodiesel: uma alternativa estratégica na matriz energética brasileira?”. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2007.

RFA - Renewable Fuels Association (2005) Position papers, 28 jan. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2007.

RIBEIRO, S. K. (2006). “Aposta no biodiesel”. Scientific American Brasil, 53. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2007.

RODRIGUES, R. (2007a). “Agroenergia: o novo paradigma da agricultura mundial”. XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Londrina, Brasil.

RODRIGUES, R. (2007b). “O desenvolvimento do programa brasileiro de biodiesel”. V Fórum Brasil-Alemanha sobre biodiesel, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2007

RUSSI, D. (2006). “Il Biodiesel in Italia: vera opportunità? Un'analisi sociale, economica e ambientale”. Universitat Autonoma Barcelona, Pisa. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2007.

SALVATORE, D. (1996). Microeconomia. São Paulo, Makron Books. SCHILL, S. R.; TELLMANN, J.; IRWIN, L. (2007) “NBB raises the bar”. Disponível em:

Acesso em: 26 out. 2007.

UFOP (2007). “Union zur Forderung von Oel und Proteinpflanzen”. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2007.

VASCONCELLOS, M.A.S de. (2006) Economia: micro e macro. São Paulo, Atlas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O Caderno Profissional de Marketing Unimep (CPMark), Qualis B3, ISSN 2317-6466, está presente nos seguintes indexadores: 

 

 

 

 

Flag Counter